domingo, 20 de novembro de 2011

Rascunhando

Tire a sua roupa devagar. Tire a pele. O lugar que habito não me cabe. Num fio de cabelo talvez. Longos fios de cabelo espalhados pela cama. Amanhece. Anoitece. Não precisa acreditar pra acontecer. Tudo paralelamente intacto. Contos inalterados. A deturpação ditada pela professorinha cafona do fundamental. Porra de amor. Porra de morte. Tanta porra espalhada pela cama. Tic tac tic tac tic tac. Os ponteiros do relógio e o porteiro do outro prédio estão incomodados. Dados. Os fatos. O fato de não estar nem aí.

Nenhum comentário:

Postar um comentário